segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Afectos...

Tendo em conta que amanhã receberemos a visita do detective Lupinhas, que adora espalhar emoções, sentimentos e afectos por onde passa, resolvemos falar sobre "isto" dos afectos e das emoções.
Segundo António Damásio, “A palavra emoção traduz, em geral, à mente uma das seis emoções ditas primárias ou universais: alegria, tristeza, medo, cólera, surpresa ou aversão. (…)”
Os afectos são algo que se exprime através das emoções e que remetem para o passado.
Antigamente as emoções eram interpretadas como um obstáculo ao funcionamento adequado do nosso pensamento e da razão.
Só passaram então a ser interpretadas como processos fundamentais no acto de decidir, devido a investigações realizadas por António Damásio.
As emoções podem ser interpretadas através da alteração do tom de voz, das expressões faciais, da postura corporal, e estão presentes nas interacções sociais.
Têm um papel fundamental sobretudo no início da vida, pois quando nasce um ser humano, este não possui qualquer capacidade para se fazer entender e para expressar as suas necessidades e desejos, senão através do choro ou com movimentos não coordenados e globais.
Só ao fim de alguns meses é que o bebé começará a falar, mas aos cinco ou seis anos alcançará uma capacidade de expressão semelhante à do adulto.
Em seguida, aperfeiçoará estas capacidades através dos conhecimentos que adquirirá na escola e dos exercícios que nela realizará, dos contactos sociais e de diversos contributos de tipo cultural.
O conceito de afectividade engloba todos os "estados de alma", como a emoção, os
sentimentos, as paixões ou o humor.
Os afectos são um conjunto de reacções que nos ligam aos outros e às coisas que nos rodeiam. São também algo que remete para o passado e que é expresso através das emoções. Estas concretizam-se no presente de forma intensa e manifestam-se através de modificações fisiológicas.
Estas reacções têm raízes profundas nos instintos e no inconsciente.

Existem várias reacções afectivas, tais como:

A Emoção, que é um estado temporário, marcado por modificações fisiológicas. Trata-se de uma resposta biológica a um organismo.
O Sentimento, que é um estado mais duradouro que a emoção. As modificações fisiológicas são menos acentuadas, reportam-se ao nosso interior, são privados e prolongam-se no tempo, não estando relacionados, como as emoções, a uma causa imediata.
A Paixão, que é um sentimento poderoso, envolvente que direcciona a vida psíquica.
O Humor, que é um estado de espírito que predispõe o individuo para experimentar sentimentos de euforia, depressão, excitação ou mau humor.
Falar de afectos é falar da relação.
A relação implica uma troca, em que se dá e se recebe, o que envolve sempre modificação dos elementos envolvidos. Nestas relações somos afectados pelos outros e afectamo-los.
Os afectos que se estabelecem constroem a matriz da nossa vida pessoal e podem exprimir-se pelo amor mas também pelo ódio. A nossa sobrevivência psicológica funda-se nas relações interpessoais.
Não é fácil apresentar uma definição de emoção, visto que este tema pode ser interpretado através de várias perspectivas. O afecto é uma relação de carinho ou cuidado que se tem com alguém.
Em psicologia, o termo afectividade é utilizado para designar a susceptibilidade que o ser humano experimenta perante determinadas alterações que acontecem no mundo exterior ou em si próprio.
fonte: http://www.filosofia.com.pt/trabalhos/emo_afectos.ppt





Preparem-se...

Amanhã vem visitar-nos alguém de quem muito gostamos!


sábado, 26 de fevereiro de 2011

Entrevista ao Carteiro Pedro Miguel

Fiquem com as imagens do pequenos jornalistas…

video

Ao longo da história, a personagem do carteiro foi ganhando importância. As histórias são muitas e todos nós certamente já vimos filmes, livros; tudo que retrata de uma forma autêntica a profissão do carteiro.

Os alunos do 2.º ano resolveram fazer uma entrevista a um carteiro porque, em Estudo Meio, estão a trabalhar a temática das profissões. A ideia de fazer algumas perguntas ao carteiro tinha como objectivo dar a conhecer um pouco da realidade do que é hoje de facto esta profissão.

Para além da entrevista, o carteiro Pedro Miguel apresentou uma sequência de imagens onde foi visível verificar e perceber a orgânica e dinâmica dos carteiros nos correios. Os alunos demonstraram muito entusiasmo e interesse porque foram jornalistas por alguns momentos e viram respondidas algumas das suas perguntas e das suas interrogações.

O nosso muito obrigado ao Sr. Pedro Miguel que amavelmente se deslocou à nossa escola e nos elucidou sobre a “vida” dos carteiros.


sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Vamos todos dar uma mão....

COMUNICADO




Informa-se a comunidade Educativa que no dia 4/03/2011, próxima sexta -feira os alunos devem vir fantasiados da personagem ou ídolo da sua preferência para que possamos comemorar o Carnaval de modo divertido e engraçado e, assim desfilar pelas ruas da freguesia.
A comemoração desta época festiva culminará com um lanche convívio entre alunos, professores, auxiliares e encarregados de educação. Para tal, pede-se a colaboração de todos com uma iguaria para enriquecer a mesa do lanche.
O horário funcionará como habitual (9:00h às 17:30h).
Informa-se ainda que a interrupção de Carnaval será nos dias 7, 8 e 9 de Março e que regressam à escola no dia 10 de Março.



SURPREENDE-NOS COM O TEU DISFARCE!!!!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Partilhar é...

Hoje tivemos uma surpresa. Fomos visitados pela Dona Paula, mãe do nosso colega Ricardo André que amavelmente veio à nossa sala para nos contar uma história. A sua escolha versou sobre uma harmoniosa história alusiva à partilha.
Foi com mais uma das aventuras do Ursinho Winnie,"É Bom Partilhar", que abordamos a temática da partilha. É sempre bom relembrar a importância da partilha.
Aprender a partilhar não é fácil, principalmente para as crianças. O problema é que elas são as que mais precisam de aprender a partilhar, já que é desde cedo que devemos de ensinar as regras do bom comportamento na sociedade. Saber e aprender a partilhar é uma das aprendizagens mais difíceis para todas as crianças, por isso mesmo é que os pais e educadores precisam estar sempre atentos para que não haja falhas nessa aprendizagem.

Afinal partilhar é ...

- emprestar coisas como material escolar,brinquedos,etc. (Lara Beatriz)
- jogar computador com os outros. (Diogo)
- emprestar as coisas aos colegas. (Sérgio)
- emprestar coisas aos outros.(Ricardo André)
- emprestar coisas a quem não tem. (Rui Pedro)
- dar coisas a quem não tem. (Tatiana)
- oferecer brinquedos aos meninos que não têm. (Francisco)
- ceder coisas aos outros. (Ana Clara)
- emprestar brinquedos, lápis e o computador. (Pedro Gonçalo)
- amizade. (Nuno Afonso)
- dar coisas aos outros.(João Carlos)
- emprestar coisas aos outros e ser amigos. (Ricardo Jorge)
- ajudar os outros. (Afonso Macedo)

Com as aventuras do Ursinho Winnie, as crianças aprendem o significado de muitos valores como a amizade, a entreajuda, a honestidade ou a partilha.
Depois de ouvir a história os alunos deram aso à sua imaginação e ilustraram o que tinham escutado. Saíram umas verdadeiras obras de arte, senão vejamos!


video


OBRIGADA CARLA OSÓRIO!!!!

Bora lá...

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Pedido especial...

Se há coisa que a professora Sandra gosta é de arco-íris...
Diz ela que são sinais de Deus, como tudo aquilo com que a Natureza nos brinda: as folhas a esvoaçar no chão quando a aragem lhes toca, uma planície coberta de malmequeres branquinhos com o centro amarelo a fazer lembrar o sol (que nos aquece nos dias em que nos dói a alma), a forma das nuvens que muitas vezes lhe fazem lembrar os anjos a enviar-lhe sinais, o ping-ping da chuva, que muitas vezes incomodativa a conseguem fazer formar belas melodias dentro da sua cabeça e a entoá-las, em alto e bom som, afinada ou desafinadamente...
As flores a falar, a água do rio a brincar, as ondas do mar a gritar, o verde da Natureza a sussurrar...
Se há coisa que professora gosta é de todos os sinais que lhe vão enviando os pormenores a que ela dá muito valor. Pormenores como o sorrir dos olhos de uma criança, por exemplo...
Se há coisa de que ela gosta, é de arco-íris...
Por isso, eu, professora Sandra para os amigos;), venho pedir, através deste nosso blogue, que me desenhem um arco-íris...um anjo, uma paisagem...apenas um desenho!
As cores do arco-íris, são como notas de música para mim, e os desenhos de uma criança fazem-me ficar de todas as cores...
Fico à espera...


terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Cheque Dentista e Kit de Higiene Oral


Durante este ano lectivo de 2010/2011, poderão beneficiar do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral – Crianças e Jovens (SOCJ) todos os alunos nascidos em 2003, 2000 e 1997 que frequentam escolas públicas e Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

Cada aluno com 7 anos, 10 anos e 13 anos receberá, através da escola, um primeiro cheque-dentista para uma consulta com um médico dentista ou estomatologista.

A emissão de mais cheques-dentista será determinada em função da decisão clínica do médico dentista e/ou estomatologista.

O cheque-dentista deverá ser utilizado até 31 de Agosto de 2011.

A lista dos médicos dentistas e/ou estomatologistas encontra-se disponível no site da Direcção-Geral da Saúde e no seu Centro de Saúde / Extensão de Saúde / Unidade de Saúde Familiar.

A partir do dia 23 de Fevereiro, 4ª feira, os Encarregados de Educação dos alunos nascidos em 2003, a frequentar o 2.º ano de escolaridade, podem dirigir-se à nossa escola (entre as 9h 30m e as 17h 30m), para levantarem o respectivo Cheque Dentista e Kit de Higiene Oral.


Toca a seguir...

Conhecem os dançarinos!
Conhecem a música!
Toca lá a seguir...que daqui a alguns dias há mais....

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Ler é essencial!!!

Ler é estimulante.Através da leitura, testamos os nossos próprios valores e experiências com as dos outros. No final de cada livro ficamos enriquecidos com novas experiências, novas ideias, novas pessoas. Eventualmente, ficaremos a conhecer melhor o mundo e um pouco melhor de nós próprios.

Os livros partilham sentimentos e pensamentos, feitios e interesses. Os livros colocam-nos noutros tempos, noutros lugares, noutras culturas. Os livros colocam-nos em situações e dilemas que nós nunca poderíamos imaginar que encontraríamos. Os livros ajudam-nos a sonhar, fazem-nos pensar.

Nada desenvolve mais a capacidade verbal que a leitura de livros. Na escola, além de aprendemos gramática e vocabulário também lemos muito.
Muitas vezes um livro tem que ser lido mais de uma vez e com abordagens diferentes. Estas abordagens podem incluir: uma primeira leitura superficial e relaxada para ficar com as principais ideias; uma leitura mais lenta e detalhada, focando as nuances do texto, concentrando-nos no que nos parece ser as passagens chave; e ler o texto de forma aleatória, andando para trás e para a frente através do texto para examinar características particulares tais como temas, narrativa, e caracterização dos personagens. Todo o leitor tem a sua abordagem individual mas o melhor método, sem dúvida, de extrair o máximo de um livro é lê-lo várias vezes.

Na nossa escola lemos por prazer, para aprender e para nos informarmos.
Através da leitura realizada com prazer, é possível desenvolver a imaginação, embrenhando no mundo da imaginação, desenvolvendo a escuta lenta, enriquecendo o vocabulário, envolvendo linguagens diferenciadas. A leitura voltada para o estudo é a mais usada pelos professores desde o início do ensino fundamental. A leitura dinâmica e descontraída é uma das melhores formas de adquirir informações. O ideal é que se aprenda a ler textos informativos, artigos científicos, livros didáticos, paradidáticos, e etc.

Desta vez foi o Ricardo André que trouxe uma das suas histórias favoritas para a sala de aula.
A sua escola recaiu na "Leonor, a Ursa Menor da autoria de Antoon Krings. A protagonista das aventuras é uma constelação – Ursa menor – que, por artes mágicas, vem parar à terra, junto da fada pirilampo Grampo. Curiosa sobre o que se passa na terra, a pequena ursa vai ter tempo para, durante um dia, experimentar ser um animal de verdade. Ao cair da noite, regressa ao céu estrelado, para sossego da fada que a transportou para a terra. Com ilustrações que recriam os elementos centrais da acção e, no caso deste volume, procuram dar à ursinha a luminosidade da constelação celeste.

Este livro teve todos os ingredientes para garantir o sucesso junto dos pequenos leitores.

video

Convite

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

E porque ler é bom....


E porque ler é bom, e porque continuamos a incentivar os nossos alunos na prática de uma boa higiene oral, aqui fica a sugestão de um livro relacionado com o tema que temos vindo a desenvolver ao longo deste período!
Brevemente colocaremos a história em pwt, para todos a poderem ler aos mais pequeninos!

E porque se sente amor no ar...

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Como viver a vida?


No âmbito do projecto "Crescer a brincar" os alunos do terceiro ano têm vindo a ser alvo de algumas perguntas relacionadas com pensamentos, sentimentos, emoções ou até mesmo situações que lhes surgem no dia-a-dia.
Já foram questionados sobre o que era ser feliz, o amor, ser ou estar triste entre outras questões que já foram publicadas no nosso cada vez mais visitado blog.
Ao longo do ano lectivo continuarão a ser abordados com questões que os farão pensar, suscitar dúvidas, pedir conselhos e por aí adiante....
Hoje não foi diferente e quando questionados com a pergunta: Como viver a vida?, responderam:

Para viver a vida feliz, temos de aproveitar o que nos dão e o que nós temos.
Temos de estar atentos ao que nos dizem…
Temos de aproveitar para brincar, porque mais tarde não vamos poder e também estar atentos na escola, para sermos alguém na vida. Miguel Rocha

Viver a vida é ser feliz, é ser bem-educado. Mas, viver a vida, é aproveitar a vida inteira porque quem pensa na morte não ficará certamente muito feliz.
Mas, o que vocês têm de fazer, é esquecer o passado, esquecer o agora e até o hoje.
Quando se lembrarem de coisas tristes pensem no amor, na amizade, nas coisas boas que já vos fizeram felizes. Diogo Ribeiro

Viver a vida feliz é:
Respeitar a natureza, aproveitar as coisas boas da vida, respeitar Jesus e não fazer maldades, e acima de tudo gastar o dinheiro apenas em coisas que precisamos.João Fernandes


Como viver a vida?
Portando-me muito bem;
Tirando boas notas;
Tratar bem da Natureza;
Ser amiga dos outros;
Lendo muitos livros;
Sendo bem-educada, carinhosa, simpática e educada para todos;
Natália Maciel

Viver a vida é fazermos coisas engraçadas e aproveitar as coisas boas, gostando das coisas que nos dão.
É aproveitá-la… Tiago Coelho

Viver a vida é aproveitar os momentos bons e ver o que nos rodeia. É comer e cheirar coisas boas. É aproveitar o tempo que nos resta, casar, ter filhos, estudar e ir para a universidade. Mário Antunes

Viver a vida, é fazê-lo sem problemas, sem estar triste.
Viver a vida é vivê-la pensando que tudo vai correr bem.
Não podemos dizer não à vida.
Lara Azevedo

Como viver a vida?
Aproveitando o cheiro das flores;
Aproveitando a nossa vida;
Aproveitando o tempo para dizer que gostamos de alguém;
Aproveitando o tempo para estudar e fazer os trabalhos e quem sabe aproveitar o dinheiro que tenho no meu mealheiro para comprar uma P.S.P. Maria Azevedo

Viver a vida é estar em família, é trabalhar bem na escola, aproveitando tudo ao máximo.
É respeitar as pessoas, e até ir à missa aprender coisas sobre Jesus. Paulo Ribeiro


Vive-se a vida tendo-se amigos e brincando ao máximo.
Viver a vida não é ignorar as pessoas, mas sim ser feliz e ser saudável.
Viver a vida é aprender, é saber escrever bem, é fazer as pessoas à nossa volta felizes. Andreia Ferreira

A vida é maravilhosa e incrível, é como rosas para mim!
Para mim a vida é amor, é viver a vida em paz, pois a vida é temporária.
Apesar de tudo a vida é arriscada, mas é ser feliz. Vítor Marques


Para mim viver a vida é: olhar para as coisas simples da vida, amar, passear pelas estradas sem fim,viajar pelos montes altos, olhar para as flores mais belas,imaginar formas no céu azul pintado de nuvens,ver o mar encerrar-se no horizonte,apreciar o por-do-sol,ensinar e aprender,rir,sorrir e chorar...
Já referi o "amar"? Sandra Costa

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Lenda de S.Valentim...


Diz a lenda que a origem do Dia dos Namorados, celebrado a 14 de Fevereiro, se deve a um padre romano, de nome Valentim, que se tornou um mártir em 270 d.C.
Naquela época, vigorava uma lei criada pelo imperador romano Cláudio II, que decretava a proibição e nulidade de todo e qualquer casamento. O objectivo seria angariar um grande número de efectivos para as frentes de batalha.
No entanto, o padre Valentim, não concordando com tal medida, decidiu contrariar as intenções do imperador romano, realizando casamentos em segredo.
Mas não foi por muito tempo.
A atitude do sacerdote foi descoberta, levando-o à prisão e consequente condenação à morte. A pena foi concretizada no dia 14 de Fevereiro do ano 269 d. C.
Enquanto aguardava pela hora da sua execução, o padre conheceu e enamorou-se da filha cega do seu carcereiro. Além de lhe ter devolvido milagrosamente a visão, pouco antes de ser executado, deixou-lhe um bilhete de despedida, assinado “Do teu Valentim”.
Desde então, a troca de bilhetes, cartões e cartas apaixonadas faz parte da tradição do Dia dos Namorados.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

O Baú Das Histórias do 2.º ano tornou a abrir!

No dia 11 de Fevereiro o Baú das histórias da nossa sala abriu-se novamente e, desta vez foi o nosso colega Tiago Fernandes que nos leu uma das suas histórias favoritas: "O Dente do Artur, dos Irmãos Koala, da Verbo Editora..

O Artur tinha um dente a abanar e, por isso, não conseguia fazer nada do que mais gostava: correr, jogar ténis, tirar fotografias... Quando o dente finalmente caiu, ficou muito contente porque o que cresceu nesse lugar era bem mais forte e brilhante!

Como o tema da Área de Projecto deste período é a Saúde Oral veio mesmo a calhar. Assim, pudemos relembrar alguns cuidados a ter com os dentes e, que devemos escovar os dentes todos os dias. Ficam aqui algumas imagens...

video

Whoo hoo!

Parecia que nunca mais chegava...

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

PROVAS DE AFERIÇÃO 2010 /2011


Informo a Calendarização das Provas de Aferição.


No dia 17 de Junho de 2011 serão publicadas as pautas dos resultados obtidos pelos alunos.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Vamos tentar seguir?

Conheço alguém na nossa escola que já nem necessita seguir a letra para cantar...Adora, adora, adora...
É uma adulta com alma de criança!


quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Vamos mexer um dedo?

A turma do primeiro ano partiu à descoberta de si mesmo.
Anda a observar e a conhecer melhor as partes que constituem o seu corpo.
Fizeram uma actividade divertida e até coreografada. Olhem para eles quase todos concentradinhos…


video

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

BAÚ DAS HISTÓRIAS DOS ALUNOS DO 2.º ANO


video

Com o intuito de promover o contacto com os livros e com a leitura; incentivar o gosto pela leitura; criar condições para a leitura em contextos diferentes ao da sala de aula; frequentemente os alunos do 2.º ano são convidados a trazer uma das suas histórias preferidas para partilhar com os seus colegas na sala de aula. Desta feita, a história escolhida foi “Está Prometido!” do autor Knister.

Neste livro a família marmota acorda do seu longo sono de Inverno e os pequeninos abandonam o ninho macio para correr mundo. Camila, a mais pequenina, encontra uma bela flor dente-de-leão e divertem-se juntas durante toda a Primavera. Mas, um dia, a sua amiga pede-lhe para soprar com muita força por cima da sua cabeça branca… e tudo parece acabar. Camila fica desesperada: a flor tinha prometido que tudo ia acabar bem! Será que ela pode acreditar na sua amiga? A sua confiança é posta à prova. Depois de alguns meses, uma grande surpresa está à sua espera.

Queremos que as nossas Crianças adquiram o gosto pela leitura, o prazer da companhia de um bom livro.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Dicas...

Comportamento infantil

A criança porta-se mal ou quer apenas comunicar?

Quando, perante um saboroso prato de papas ou na hora de dormir, a Ana, que tem 2 anos, desata a espernear e a gritar, os pais levantam a voz, de dedo em riste, ou optam pelas «duas palmadas bem dadas», para acabar com a «birra». Mas será que a criança está, de facto, a portar-se mal... ou quer apenas comunicar algo aos pais?

É normal. Não há criança que, de vez em quando, não se porte mal. Mas, segundo o psicólogo clínico Álvaro Ferreira, «talvez não exista o mau comportamento».


Álvaro Ferreira defende que muitos daqueles que são catalogados como maus comportamentos são, simplesmente, atitudes que contrariam as idealizações dos pais:

«Uma criança considerada mal comportada reflecte uma expectativa que os pais têm e que não é correspondida. Isso tem um carácter contextual. O que é, hoje, tido como mau comportamento não o era há dez ou vinte anos. Este conceito também varia com o local. Há sempre uma dimensão cultural acerca do que é bom ou mau comportamento.»
Este psicólogo clínico salienta que há pais que consideram mau comportamento ser irrequieto, não tomar atenção na escola, não querer dormir, tomar banho ou comer. «Na minha opinião isto, se calhar, não pode ser visto como mau comportamento», explica Álvaro Ferreira.
As expectativas dos pais vão se formando antes de o bebé nascer. «Uma mãe que, durante a gravidez, deseja inconscientemente que o bebé venha a ser muito rosadinho e que vai comportar-se como o seu primeiro filho vai, provavelmente, deparar-se com outra realidade: há um bebé real, que é diferente do imaginado - aquele que os pais desejam», explica o psicólogo. Isto causa frustração.
Muitos pais vivem com ansiedade o facto de as crianças manipularem os órgãos genitais, tocarem nas fezes, roerem as unhas ou chucharem no dedo. Segundo o psicólogo, «estes comportamentos são vistos como negativos, mas importa reconhecer que são atitudes normativas e saudáveis, desde que não se prolonguem e enquistem».

Perigos - o fruto proibido

«Aquilo que, vulgarmente, é considerada uma ‘birra’ constitui uma forma de a criança comunicar algo aos pais, como desde logo as cólicas e a fome, até a formas diversas de desprazer afectivo. Nas crianças mais velhas, pode significar uma vontade de ir por um caminho diferente daquele que está a ser imposto pelos adultos. As ‘birras’ são fundamentais, nesta dinâmica», assegura Álvaro Ferreira.
Quando uma criança está na rua, pendurada num muro, sujeita a cair e a magoar-se, os pais ficam aflitos. Segundo Álvaro Ferreira, «essa atitude pode significar uma posição de força, no sentido da autonomização. Uma ‘birra’ pode ser importante, como processo de autonomia».
O modo como o educador ou os pais se comportam em relação a uma «birra» é fundamental. Se não derem importância, «se permitirem que a criança faça o que quiser, ela vai perceber que não há limites. No outro extremo está o educador que, sem dizer nada, dá um par de estalos à criança, não permitindo que ela ganhe consciência dos perigos que corre. Nenhuma destas atitudes será a ideal. Para crescer, é preciso sentir alguma frustração», explica o psicólogo.
Quando as crianças começam a andar e querem descer uma escada, o ideal seria os pais estarem presentes e simultaneamente darem alguma liberdade, permitindo a exploração desse espaço. Álvaro Ferreira exemplifica: «Há pais que nunca deixam as crianças fazer nada, porque tudo é um perigo. Mas a criança precisa de explorar e de bater com a cabeça, para perceber que aquilo é duro e que a magoa.»

Castigar, sem ser o mau da fita

Os castigos que implicam violência física «têm de ser totalmente erradicados. O castigo ideal é aquele que é aceite pela criança como justo, mesmo que não o seja no momento em que é aplicado, que é acompanhado de afecto e proporcional à situação. Os castigos devem ter por objectivo fornecer normas e limites à criança», explica Álvaro Ferreira.
Se a criança percebe que pode fazer «birras», sem ser penalizada, «pode haver perda de limites com consequências para o resto da vida. Por outro lado, se os pais nunca permitem nenhum tipo de ‘birras’, a criança torna-se passiva e pobre, em termos de vida mental», entende Álvaro Ferreira. O importante é perceber como terminar com as «birras», fazendo com que a criança sinta porque é que não deve ter determinados comportamentos.
E quanto às tradicionais «duas boas palmadas», Álvaro Ferreira diz que «a sua conveniência depende do contexto e do modo como são aplicadas. Muitas vezes, uma palmada dada com afecto é fundamental. Mas é preciso que seja dada no momento certo e, obviamente, para não magoar. O ideal seria não dar palmadas... mas o ideal não existe. Por isso, não devemos culpabilizar os pais. A palmada é um falhanço da comunicação e é, no fundo, um comportamento infantil».
Quando as crianças estão, constantemente, a fazer «birras», «pode ser útil o acompanhamento por um profissional especializado. Nesses casos, mais ainda do que noutros, os castigos extremos não resultam», garante o psicólogo.

Aprenda a comunicar

Para Álvaro Ferreira, os ditos maus comportamentos são, frequentemente, provocados por problemas de comunicação.
«Quando uma mãe cuida da criança, unicamente, como uma enfermeira e não lhe dá afecto, não a olha e toca-lhe pouco é sinal de que existem problemas de interacção. Mas também é preciso perceber se o bebé estimula a mãe», afirma o psicólogo.
A partir do momento em que os pais e os educadores compreendem que «os comportamentos classificados como maus acontecem porque há alguma perturbação na relação, podem modificar as atitudes consideradas repreensíveis. Está tudo nas mãos dos pais... e da criança», garante este psicólogo clínico.

Segundo Álvaro Ferreira, não há crianças que sejam sempre bem comportadas. «A criança que é sempre certinha, durante toda a infância, pode vir a ter sérios problemas de vida mental.»
O ideal para um crescimento psíquico saudável, mas livre dos comportamentos considerados negativos, é um equilíbrio entre impor limites à criança e, simultaneamente, dar-lhe afecto. A palavra-chave é: comunicar... com amor.


texto Helena Soares


domingo, 6 de fevereiro de 2011

A pedido de alguns alunos...

E porque são os alunos a razão da nossa existência, e porque de vez em quando são merecedores daquilo que nos pedem, aqui fica:

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Sobre o mau comportamento infantil...

Quando os adultos respondem ao mau comportamento com Raiva e Frustação, o "Ciclo Vicioso do Mau Comportamento" se inicia. Observe de forma clara, como isto acontece.

Você sabia que a IRRITAÇÃO e FRUSTRAÇÃO de um Adulto diante das ações de Crianças mau comportadas, alimentam esse Mau Comportamento criando assim um Círculo Vicioso que perpetua esse Mau Comportamento?
Acompanhe então esta breve cena muito comum na vida de muitos...

Vamos supor que uma Criança pratique uma Atitude comum de Mau Comportamento...Entra então em cena, o Adulto, mostrando toda sua Raiva, Indignação e Frustração diante daquele fato.

E ele xinga, chama palavrões e outras coisas...

Diante disso, a Criança se sente Superior a Ele, e então ela pensa:
- A mais importante e poderosa pessoa na minha vida, é incapaz de me corrigir!

Ou pensa..
- A mais importante pessoa na minha vida, vai ter de suar muito para fazer eu me comportar direito!

Ou pensa..
- É muito divertido deixar os adultos loucos da vida!

Isso gera um Conceito Negativo a respeito de si mesmo.

E ela pensa:

- Se é tão difícil para os adultos ajudarem na minha correção, devo ser mesmo um caso perdido!

Os adultos devem quebrar este Círculo Vicioso substituindo a RAIVA pela Tristeza sincera ou Empatia.

Autor: Alberto Filho
Extraído do site http://sitededicas.uol.com.br/index.htm

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Toca a imitar...

E porque dançar faz bem à alma, ao corpo e revitaliza a mente (hehe), toca a colocar um sorriso na cara e tentar acompanhar!

Ser ou estar triste...

Ser ou estar triste é…

• Não ter família. (Luís)
• Não ter ninguém para brincar. (Daniela)
• Ter maldade. (Maria)
• Quando ninguém nos liga e perdemos os amigos. (Tiago)
• Quando não nos dão atenção. (Miguel)
• Querer ter alguém que nos anime. (Lara Rita)
• Não ter carinho e não ter uma família porque nos abandonaram. (Paulo)
• Não querer que os meus pais me batam, sem eu fazer nada. (Vítor)
• Quando não acreditam em nós. (Ana)
• Não poder sair de casa e ir não ir às compras. (Natália)
• Ser maltratado. (Gonçalo)
• Estar de castigo e ficar sem intervalo. (Ruben)
• Aleijar-me, e ser atrasada nos trabalhos. (Andreia)
• Quando alguém nos fala com mau-humor. (Lara Cristina)
• Quando alguém faz troça de nós. (Mário)
• Quando não queremos ver ninguém e choramos muito. (Fábio)
• Não ouvir bons elogios. (Rodrigo)
• Ser ou estar triste é estar e brincar sozinho. É não ter amigos ou perder um brinquedo. Estar triste é quando os pais nos batem por nos portarmos mal, ou por não termos algo que gostaríamos de ter. Estar triste é quando estou doente. Ficar triste, é quando brinco com o meu cão e o deixo cair ao chão. (João)

Ser ou estar triste...aos olhos dos alunos do 3º ano

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

E porque...

E porque nos encontramos a estudar a Saúde oral neste período, é sempre bom deixar conselhos que nos ajudem a manter os dentes branquinhos, reluzentes,e acima de tudo sem cáries.
"As doenças orais mais frequentes são facilmente evitadas desde que cada pessoa participe activamente na promoção da sua própria saúde e na promoção da saúde das pessoas de quem cuida. A promoção da saúde oral passa, inevitavelmente, pela adopção de práticas de higiene oral eficazes e realizadas com a frequência desejável"

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Amar? O que será isso?

Amar é:
 Sentir as mãos a tremer. (Luís Pedro)
 Ter um bom coração. (Gonçalo)
 Elogiar. (Rúben)
 Amar a família. (Diogo);
 Ter carinho. (Maria)
 Ter bondade. (Vítor Hugo)
 Amizade. (Fábio)
 Ser amigo e ajudar quem nós gostamos. (Tiago)
 Apaixonar-se. (Lara Cristina)
 Não mentir às pessoas. (Paulo)
 Fazer aquilo que nos apetece. (Mário)
 Gostar das pessoas como elas são. (Ana)
 Respeitar. (Natália)
 Ser feliz. (Lara Rita)
 Ter felicidade. (Andreia)
 Beijar.(Daniela)
 Sentir o coração a bater de força. (João)

Amar é ter amor, namorar, ter carinho.
Amar também pode ser ajudar o próximo, por exemplo: ajudar a mãe, o pai e as outras pessoas.
Amar é ajudar os nossos amigos nos bons e nos maus momentos.
Amar é ter cuidado com os outros, com as nossas coisas…
Amar é ficar apaixonado por alguém a sério.
Amar também é casar e ter filhos.
Amar pode ser muitas coisas. (Miguel)
Amar...aos olhos dos alunos do 3º ano